rasc.

27/05/2011

Tenho pelo menos 10 textos no rascunho desse blog. Fui olhar sobre o que eram e de quando eram, e tive mais um prova de como o tempo passa rápido. O mais recente, de junho do ano passado, já vai completar um ano.

Quanta coisa “mudou”…

Anúncios

heureca!

24/05/2011

A gente deveria ter uns botões de liga/desliga pra várias coisas da/na vida!

Exemplo prático de hoje: Quero estudar…

liga > concentração, atenção, disposição!

desliga > twitter, procrastinação, sono, preguiça, e outras distrações!

ex

27/04/2011

Sabe, às vezes não rola mesmo ser amiga de ex. Por mais amor, por mais carinho… É tão difícil! Principalmente se há alguma intenção de se manter uma amizade próxima, aí, colega, fudeu! Mais cedo ou mais tarde alguém vai se magoar novamente só que, agora, dentro de um novo tipo de relação, a amizade.

Quando somos nós os feridos fica muito complicado entender o lado alheio. Fica pior quando as opiniões sobre pontos chave são tão opostas, confusão na certa…

Ai ai!

ego/ísmo

02/10/2010

Ísmo – condição patológica.

Certa vez um alguém me escreveu a seguinte frase numa carta: dos 60kg que peso , tenho 61kg de egoísmo!

Passaram-se os anos e hoje, mais uma vez, prestei-me a refletir sobre a doença do ego. Como sou possuidor desse defeito!

Ao contrário do que alguém possa pensar, nem todo defeito tem origem na maldade ou na falha de caráter. Pode ser apenas uma “má formação” da personalidade. Não querendo me defender (já me defendendo), a ressalva sugerida é apenas um outro ponto de vista.

Pois sim… Encontrei-me horas atrás em mais um dilema ético interno: não estou desejando o mal ou que não dê certo aquilo para alguém; apenas, caso não dê certo pra mim, não gostaria de me sentir o fracassado, o incapaz. Olha o egoísmo aí!

A vontade de não se sentir inferior, diminuído frente a outrem; é ridícula, eu sei… Não é à-toa que me critiquei arduamente por ter permitido que tal pensamento passasse pela minha cabeça.

Talvez se fossemos confessar tudo o que se passa em nossos pensamentos, principalmente aqueles que nós mesmos não autorizamos a existência (como o acima citado) tudo viraria um caos = uma putaria generalizada.

De braços dados com o egoísmo está a inveja que, disfarçada de branco, pode ser confessada sem tantos constrangimentos.

No final das contas, tudo gira em torno do por que não eu, por que não comigo, eu mereço, eu não mereço, etc.

Mas, seguindo a vibe (=moda) do Nosso Lar, eu to aqui pra evoluir que nem um pokemon!

tive alguns pensamentos…

Assisti ao filme “A Origem”, e tive, em um primeiro instante, duas dúvidas: 1) Se a ligação entre esse filme e Matrix é só porque aparece a palavra “sonho” nos dois, ou se é porque durante o sonho você pode “construir e manipular” a estrutura. Fora essas duas coisas e a ação intensa do filme, fui incapaz de ver outras semelhanças. 2) Ainda estou me questionando por que alguém não consegue entender o filme; esse fato coloca areia no meu caminhãozinho do medo!

Voltando pra realidade, levanto uma ideia pra discussão: será que a superproteção e o excesso de porcaria estão deixando as novas gerações cada vez mais deficientes em inteligência?

Será que as amizades só duram enquanto persistirem semelhanças e afinidades e as diferenças forem simples amenidades ou simples discursos e pontos de vista, e não ideais de vida?

#@$@!%*

29/08/2010

Confiança é uma coisa que quando fode de vez…

alguém saberia me dizer quanto tempo posso ficar com a pressão baixa sem ter um treco? Já dura mais de 60 minutos…

editando

eu quase lamento não ser má pessoa… ¬¬

faça hoje!

25/08/2010

É difícil não pensar no tempo que passou. No tempo que não se gastou, que não se fez uso… Mas mesmo assim, insisto em “flautear”. Parece que tenho medo de agir em algumas circunstâncias, e esse mesmo medo – ironicamente – é que muitas vezes me move!

Constatações 1

14/08/2010

Sabe quando temos certeza de que um namoro não valeu a pena?

Quando a melhor¹ coisa de todo o relacionamento foi comer o macarrão que a cozinheira da casa da namorada fazia.

¹ Digo melhor no sentido de ser algo realmente bom e não um arranjo do “há males que vem para o bem”.

Literalmente.

Li novamente os posts do começo do mês 07 (sete), lembrando o meu estado de perdição. Felizmente, por enquanto, os problemas de julho não existem mais. Pensando sobre isso cheguei a conclusão de que o amor é a alegria mais dolorosa da nossa vida!